sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Esqueci de colocar 'Fantastic Baby' no meu top 2012


E aí que eu deixei preparado aqui um top com as minhas faixas favoritas de 2012 para postar agorinha no fim do mês, pois já imaginava que não ia rolar pauta e/ou tempo para me dedicar a fazer algo a mais por motivos de final de período na faculdade.

Só que, enquanto dava uma conferida para ver se tava tudo certinho pra já começar a soltar, me dei conta de que esqueci Fantastic Baby, do BIGBANG...


Pra ser bem honesto, eu não gosto muito do BIGBANG não. E nem é (só) pela quantidade de merdas que os integrantes fazem em suas vidas não-idol, mas mais pelo repertório, que considero ligeiramente fraco para um grupo de big3. Os cinco tem timbres vocais reconhecíveis e diferentes entre si, são carismáticos no palco e tudo mais. No entanto, a grande maioria de seus lançamentos vão por caminhos que não me agradam sonoramente. Uns R&Bs melosos, uns trecos try-hard onde eles arrotam em instrumentais barulhentos, farofas EDM demasiadamente datadas...

"Fantastic Baby" está nesse terceiro grupo aí. Só que, por mais incrível que pareça, acaba funcionando comigo. Talvez por ela ter sido lançado num momento onde o capope estava fortíssimo comigo, pois eu tinha feito vários e vários amigos que também escutavam essas bostas vergonhosas que todos aqui amamos (efeito semelhante ao que ocorre com bops coreanos de 2011 e 2010 também, mas falaremos mais disso ano que vem). Talvez por ela representar um momento onde o Pop coreano como um todo tinha muito mais influência visual, conceitual e outros "als" de trasheiras do Japão que trasheiras pseudo-cults dos EUA. Ou talvez por ela realmente ser divertida e só. Vai saber.

Quer dizer, no MV, tínhamos troços como...


G-Dragon tosquíssimo piranhando num trono com um dos visuais mais inacreditavelmente ridículos da história da música Pop mundial contemporânea...


T.O.P-piroca-do-tamanho-de-um-batom-da-Mac sem qualquer expressão facial humana...


Aquele cara racista lá que precisa ficar sem camisa todo clipe tentando uma vaguinha como personagem jogável de Mortal Kombat ou coisa do tipo...


Esse rapaz aqui que eu nunca gravei o nome usando o mesmo corte de cabelo horroroso que eu nesse momento. Sério, maldito barbeiro que estragou meu visual naturalmente classudo. Vou ter que defender meu TCC semana que vem parecendo um MC de Funk ostentação do começo da década...


E o D-Light... Sensualizando? HEAUAHEUEAHUEAUEAHUA


Btw, esse live aqui é bem bom, com eles cantando muito bem ao vivo (coisa raríssima nos music banks da vida), interagindo com a plateia, dançando etc. Acho que é uma das apresentações do tipo que mais gosto de assistir.

Mas enfim, esqueci de incluir. Ficaria bem ali na primeira parte do top, entre o trigésimo e o vigésimo sexto lugar. Agora já era, é a vida. Tipo "Bad Girls", da Lee Hyori, que eu esqueci de colocar no top 2013, ou "Michi", da Utada Hikaru, que me fugiu da memória na hora de separar as do de 2016.

---

Bom, dito tudo isso, amanhã começo a postar o top 2012 aqui do blog. A ideia inicial era, assim como em todas as outras vezes que fiz isso de rankear trecos do passado, dividir duas listas com as 40 melhores da Coreia do Sul e do Japão. No entanto, enquanto eu ia recolhendo o que colocar, cheguei à conclusão que... Não tinham tantas músicas boas assim em 2012.

Eu conseguia juntar, sei lá, 20 ou 25 faixas fortes de ambos os países, mas as coisas ficavam forçadas demais depois disso. Então, resolvi mesclar tudo num listão só e ainda adicionar um mandopop da Jolin no meio da bagaça. Assim, todas as canções listadas terão um peso grande e nenhum filler dará as caras. Devo fazer o mesmo ano que vem com os tops 2011 e 2010, mas relaxem, o de 2017 será no formato separado de sempre.

A primeira parte, que vai da quadragésima até a vigésima sexta, vai ao ar amanhã. No domingo, a segunda, da vigésima quinta até a décima primeira. Segunda-feira, as dez melhores.

Alguma aposta?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...