sábado, 13 de maio de 2017

Throwback Playlist | 2000s Asian Pop


Uou, um quadro novo nesse blog? Mesmo eu tendo aquela deliciosa mania de começar coisas e não terminá-las? YAS BITCH, YAAAAS... SLAY!!!

Pois bem, meus queridos, estava eu cá em meus diversos momentos de tédio pós-semana de provas na faculdade matutando o que de diferente eu poderia aprontar por aqui. Pensei em dar continuidade aos tops retrôs de K-Pop e J-Pop, indo para 2013, depois 2012 e assim por diante, visto eu ser naturalmente nostálgico e ter um prazer aleatório em pesquisar "velharias" do tipo. Porém, se é para abrir o baú e relembrar o que tocava lá no oriente anos atrás, por que não ir um pouco mais a fundo nisso e pular direto para o início da década passada?

Em vez de ir decrescendo na linha temporal, achei mais interessante  fazer o contrário e começar pelo """começo""" disso tudo, no ano 2000, para então ir subindo os degraus em 2001, 2002, 2003 etc.

No entanto, em vez de eu montar os já habituais tops 40 com os destaques japas e coreanos, achei mais saudável eu modificar esse formato, montando uma mixtape playlist com as prováveis faixas que entrariam nessas listas, de ambos os países. Até porque, o K-Pop era só mato nessa época, com algumas coisas escutáveis aqui e ali, mas nada que realmente salvasse vidas, algo bem diferente do J-Pop, cujo formato dentro do entretenimento já estava consolidado há umas boas décadas (tem troços nipônicos que são facilmente palatáveis desde o início dos anos 80).

Enfim, sem mais introduções, cliquem ai para continuar lendo e confiram um resuminho de como foi o ano 2000 e já partimos para a playlist...


NA COREIA DO SUL

Como eu disse, era tudo mato. A forma de entretenimento que estourou mundialmente, que todos adoramos e consumimos como se fossemos nossa aqui no fandom já estava ganhando forma e timidamente se moldava de maneira a não só atender a demanda local, mas ser exportada por ai. Entretanto, não sei se por incompetência, falta de equipamento ou de experiência das empresas, a grande maioria das produções musicais ainda soavam extremamente amadoras.

A impressão de estranheza nas canções desse período é muito alta, é como se fosse comum lançarem demos como produtos finalizados.  E isso meio que mata a curiosidade de buscar por coisas mais "antigas" (bizarro falar assim, sendo que é sobre os anos 2000) dentro desse cenário. Vocês podem tomar como exemplo Be Natural, do S.E.S, cujos vocais simplesmente não parecem casar com o instrumental, algo que fica ainda mais evidente quando escutamos a versão atualizada pelo Red Velvet, explicitando também o quanto o tempo fez bem para o Pop coreano.

NO JAPÃO

Já no Japão, as coisas iam muito bem. Do que nos cabe aqui, alguns animes que se tornariam febres internacionais estreavam por lá, como "Love Hina", "Inuyasha", "Hajime no Ippo", "Yu-Gi-Oh!" e "Medabots". A guerra Pokémon X Digimon seguia a mil, com ambos já em seus segundos animes disputando a atenção da criançada e da propaganda.

O cenário musical já era bem dividido, com espaço para bandas de diversos segmentos e artistas brilharem, com suas canções estando ou não em trilhas de animações/doramas. Do lado das J-divas, Utada Hikaru já era uma das maiores vendedoras de singles, com a Ayumi Hamasaki ali juntinho, Namie Amuro existindo e Koda Kumi Debutando.

NO BRASIL

O Brasil sofria impacto apenas do front japa, com sei lá quantos desenhos estourando nos canais abertos daqui, sendo "Pokémon" o mais significativo, já há quase meio ano no ar, enchendo os bolsos da Record de dinheiro e elevando a carreira idol da Eliana para um novo patamar, com ela lançando "A Força de Um Mestre", uma música tema que não foi incluída no álbum oficial da animação lançado por aqui, mas rendeu bons momentos de pura vergonha alheia, como um videoclipe serviu de base para a Kyary Pamyu Pamyu montar sua persona e performances de cair o queixo, como essa no Sabadão Sertanejo, com o auxílio de várias rabas molhadas sendo esfregadas na câmera em horário nobre...

Brasil... 

Tentei com a lista abaixo resumir o que de mais significativo rolou em 2000. A playlist não está em ordem de preferência, mas é certo que, caso eu fizesse um ranking, todas essas canções entrariam nele. Para que ela fizesse um pouco mais de sentido, tentei separar as faixas de modo que elas ocupassem quatro blocos distintos: Pop Vibrante/80s; R&B eletrônico/Mariah style; Rockish; Ballads emocionantes para levantar o celular no show.

Vocês podem clicar no player e escutar todas elas em sequência, ou irem avançando através da barra de tempo, pois todas estão grudadas num mix, já que essa é a única maneira "legal" permitida pelo MixCloud, com os artistas creditados supostamente recebendo pelas execuções.

E claro, alguns comentários breves sobre cada uma das músicas...



01) Miyazaki Wataru - Break Up: Embora não seja a minha favorita na trilha sonora de "Digimon 0.2", essa aqui deve ter uma das introduções mais memoráveis da história das trilhas de animes, com os "na na na, na na na, na na na na na na na" imediatamente transportando o ouvinte para o momento de evolução, com os digiovos sendo enviados e todo o calor da batalha se aproximando. Uma boa para começar essa playlist...

02) AiM - Ashita Wa Atashi no Kaze ga Fu: Outra da segunda temporada de Digimon, mas numa pegada mais kawaii e remetendo ao Pop/Rock dos anos 80, só que de uma maneira totalmente oriental e adocicada. Eu gosto bastante dos exageros instrumentais colocados de forma a criar um ápice na bridge...

03) Fin.K.L - Pure Love: Ainda mais oitentista que a anterior, temos aqui uma das melhores faixas do repertório do Fin.K.L, um dos poucos grupos coreanos a trazer um som palatável e sem aquele ranço de amadorismo presente na grande maioria dos releases que saiam por lá no início do milênio - pensem nos "clássicos" do S.E.S e entendam o que quero dizer...



04) Morning Musume - Koi no Dance Site: Ridículas do Morning Musume sendo tosquíssimas e se apropriando da cultura árabe para lançar uma das bobagens mais divertidas do ano. E uma das mais vendidas também. Essa gritaria desmedida, provavelmente, entraria num top 5 meu caso isso fosse um ranking...

05) Puffy - Boogie-Woogie Nº5: Em 2000, as meninas do Puffy lançaram um dos álbuns mais queridos entre seus fãs, o "Spike", começando a conquistar espaço ao redor do globo, o que culminaria na animação delas na Cartoon Network e etc. Das presentes nele, essa é uma das mais simpáticas, sendo um número retrô extremamente agradável e sing-along...

06) Fin.K.L - One Fine Day: Embora tenha envelhecido meio mal (parece ter sido gravada há 40 anos, mas não tem nem 20), gosto muito desse new jack swing. Bem que Lee Hyori e as esquecidas poderiam relançá-la numa versão com a tecnologia atualizada...



07) Park Ji Yoon - Coming of Age Ceremony: Um dos divisores de águas do que conhecemos como K-Pop. Não é a toa que performances com essa música com grupos e solistas atuais são ridiculamente frequentes em especiais de TV lá na Coreia, pois se a transição aegyo/rampeira exite, é porque a Park Ji Yoon lançou "COAC"anos atrás...

08) Koda Kumi - Take Back: O debut da Koda Kumi ainda é tão bom. É impressionante o quanto o timbre dela consegue trazer pra quase tudo o que ela canta um frescor delicioso demais, tornando o produto final bem melhor do que poderia caso gravadora por alguma outra cantora. Digo isso, pois essa sonoridade R&B/Pop/Urban/Mariah/JLo/Kelly Key foi muito utilizada no começo da década (preparem-se para mais CINCO faixas nessa linha a seguir), mas com a Koda o resultado é bem mais único...

09) Namie Amuro - Break the Rules: Não sou tão familiarizado assim com o repertório da Namie, então criar essa série meio que está me obrigando a consumir tudinho o que ela lançou nos anos 2000. Tomara que ela tenha ainda mais faixas tão divertidas quanto "Bleak the Lules", que é basicamente ela mandando uns raps por cima de uns batidões urban. Curti...



10) Utada Hikaru - Wait and See: É aquilo que eu falei no parágrafo da Koda Kumi sendo repetido com a Utada Hikaru. "Espere e Verá" ganha todo um tempero a mais por ser gravada por ela, sendo das que selecionei representando a "Mariah Vibe" aqui na playlist, provavelmente, a minha favorita...

11) BoA - ID; Peace B: Já o debut da BoA está aqui mais pela representatividade mesmo e pelo meu biasismo, pois a SM devia ter um problema bem grande com os mixadores de som, pois demorou para que alguma faixa dos atos deles não parecesse uma demo não editada. O bom é que as coisas melhoram para a BoA-sama quando ela começa a invadir o Japão...

12) Fin.K.L - Now: Última do Fin.K.L nessa lista e também a melhor das três. Engraçado que eu, na primeira vez que escutei, achei que as vozes ao início eram delas e não de um ghost singer masculino, meio que me decepcionando com elas não sendo drag queens fanhas. De qualquer forma, venham rebolar com esse jam...



13) Ayumi Hamasaki - Duty: Encerrando essa parte Urban da playlist, "Duty" traz a Ayu com um molejo meio hispânico/latino, bem dramático e ideal para servir de ponte pra parte seguinte...

14) Koji Wada - Target: Agora sim, a minha faixa favorita da trilha sonora de Digimon como um todo. Se bobear, deve ser também uma das minhas OSTs de anime preferidas de todos os tempos, ali do lado com a abertura brasileira da primeira temporada de Pokémon. Não tem como não sentir uma energia crescendo no peito enquanto isso aqui toca. É quase mágico, sério...

15) Shocking Lemon - Under Star: Essa aqui é retirada da trilha de "Hajime no Ippo" e serve como um bom follow-up, com acordes pesados, versos mais dramáticos e um refrão extremamente energético. Como os anos 2000 foram bons para o J-Rock...



16) Sheena Ringo - Sigma: Com ainda mais peso, temos essa b-side da Deusheena Ringo, recheada de elementos orgânicos e eletrônicos interagindo na backtrack de maneira enlouquecedora. Pode parecer demasiadamente experimental num primeiro momento, mas escutem-a mais algumas vezes e vocês verão que o vício é eminente...

17) Gensomaden Saiyuki - For Real: Isso aqui também é abertura de algum anime, mas não tenho ideia de qual. Enfim, ótima música...

18) Sheena Ringo - Crime and Punishment: Ainda outro número extremamente experimental da Sheena Ringo, com uma atmosfera deliciosamente teatral e toda uma construção instrumental absurda de tão rica...



19) Ayumi Hamasaki - Vogue: Talvez "Vogue" seja uma das canções mais significativas da carreira da Ayu quando o intuito é misturar a sonoridade folclórica nipônica com o Pop ocidental, algo que ela já fez várias vezes em sua discografia. É uma das que mais gosto do repertório dela e do ano 2000 num geral...

20) Do As Infinity - Break Of Dawn: Última parte da playlist, é hora de levantarmos nossos celulares/isqueiros para ballads emocionantes, arrepiantes e de tirar o fôlego. Começando isso, temos a title do álbum que o Do As Infinity lançou nesse ano. Não é a melhor deles, mas transpassa esse clima de "capítulo final" muito bem...

21) The Brilliant Green - Hello Another Way: Eu adoro a voz da Tomoko Kawase e como ela fica gostosa nessa pegada Pop/Rock adolescente do The Brilliant Green. Há bastante sentimentalismo na produção e ouvi-la faz com que a vida pareça um encerramento de shoujo, com um certo resquício de esperança brilhando lá no fim...



22) Sheena Ringo - Gips: Essa deve ser uma das power ballads mais bonitas da discografia da Sheena Ringo. Chega a ser irônico que artistas hype de outros países do oriente, com pouquíssimas exceções, não consigam nos proporcionar números desse tipo mesmo com quase duas décadas já passadas, enquanto no Japão isso é quase que regra para todo mundo...

23) Ayumi Hamasaki - Seasons: Assim como a Ayumi fez aqui com "Seasons", outro destaque em vendas daquele ano. Há uma construção coerente que nos faz consumir cada um dos momentos da faixa, com o ápice chegando ao final com força...

24) V6 - Change the World: Encerrando a viagem, temos aquela que é a OST mais significativa de "Inuyasha", também com uma introdução explosivamente memorável e aquele clima de créditos subindo ideal para terminar essa playlist e...


25) Papaya - Listen To My Word: MENTIRAAAAA!!!! A faixa escolhida para encerrar tudo é a ridícula "Listen To My Word", das flopadas do Papaya, revisitada ano passado pelo Oh My Girl em A-ing. Sério, que troço tosco mais maravilhoso. O instrumental caribenho é pura vergonha alheia, o vocal masculino com "sotaque" também, mas os versos são grudentos, o refrão é divertido e os "AAIIIING" no final dele são de uma palhaçada admirável. Papaya rainhas, S.E.S nadinhas... <3

Já posso fazer capas para o Morning Musume...
E é só isso ai dessa vez. Para um primeiro post, até que escrevi muito. Ainda estou me familiarizando com o MixCloud, então pode ser que tenha algum erro que eu não percebi no player, ou algo que eu não soube explicar sobre o funcionamento dele, mas acho que nos próximos posts essas questões serão clareadas, assim como as capas tosquíssimas serão aperfeiçoadas.

Falando em próximos posts, a minha ideia inicial é soltar isso aqui quinzenalmente, para que role tempo certinho de eu pesquisar, selecionar as faixas e preparar tudo mais. Se tudo correr bem, acho que até o fim do ano termino essa linha temporal, ou pelo menos alcanço a dos posts com os tops.

Não sou muito disso de pedir comentários, pois já aceitei calmamente o fato de que vocês me dão views, mas ignoram a barra ai em baixo, mas dessa vez gostaria de saber a opinião de vocês sobre esse estilo de post. O que ficou legal? O que ficou ruim? A lista ficou muito grande, ideal ou ainda poderia ser maior? Acham que eu devo colocar as faixas para download? Alguma sugestão?

Nos vemos num próximo post... ;)


---

Nota: esse estilo de postagem foi claramente "inspirado" no que é feito lá no Asian Mixtape, que é, digamos, praticamente uma Uhm Jung Hwa para blogosfera capopeira brasileira... :v #SomosTodosK7s

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...