segunda-feira, 6 de março de 2017

Em 'Fingertip', GFriend se joga no New Wave oitentista e entrega seu melhor single até então


O GFriend nunca foi um grupo que, particularmente, chamou a minha atenção de maneira positiva. Não há nada nas album tracks de seus três primeiros EPs e em seu único LP que eu consiga me lembrar da melodia, singles como "Glass Bead" e "Rough" me dão um pouco de sono e "Me Gustas Tu" só colou comigo mesmo pelo maravilhoso vídeo dos tombos *o* 

As coisas começaram a mudar no ano passado, com a maravilhosa "Navillera", um número synthpop carregado no instrumental, excelente, vibrante e que injustamente acabou não entrando em meu top de fim de ano por eu ter me apaixonado instantaneamente por Let Me In, de uma das minas do Loona.

Mas as GFriend são vingativas, elas não querem ser deixadas só, pois elas saem na capoeira, são poderosas, são macumbeiras. E então, para sentirem o gosto sincero de amor, deram uma sacudida em sua sonoridade e estão de volta encarnando o KARA em Fingertip.

Vejam ai o MV e já conversamos...



Eita, mas que hinão da porra, bicho!

Adoro como a sonoridade do GFriend desabrochou tanto em questão de meses, passando do mais do mesmo executado por tantos outros grupos aegyo para algo com mais identidade e punch. A presença de guitarras mais marcadas sempre foi reconhecível em suas canções de trabalho, mas sempre vi isso mais como um ícone que, isoladamente, não conseguia salvar os releases como um todo.

Como eu disse parágrafos acima, isso mudou em "Navillera". E a confirmação está aqui, em "Fingertip".

As referências ao New Wave oitentista datadíssimo são muito claras no tempo alto da track, na bateria eletrônica marcada, nos teclados reverberados e em todo o clima piegas que permeia a produção. O refrão com os "tang tang tang, fingertip" é MUITO grudento e, se creio eu, já um dos mais divertidos de 2017.








Gosto também que há uma ligeira mudança na imagem das meninas. Enquanto as tínhamos como colegiais recatadas, ingênuas e fazendo cara de confusão nos videoclipes, agora temos elas alternando um visual casual teen com o figurino das paquitas da Xuxa, mesclando cara de confusão com uma proposta mais creepy no MV.

O colega Dougie disse num post lá no blog dele que o GFriend, ocasionalmente, acabaria ocupando o espaço que o KARA deixou vago na indústria. E é bem isso que vemos aqui, já que "Fingertip" fica naquele meio termo entre o idol Pop japonês e as canções de mais pulso instrumental que o KARA tomou como sua assinatura sonora de 2009 em diante. De fato, é bem válido compará-la com as excelentes Jumping, Wanna e Lupin.

De maneira sonora e visual. Muitos fã ensandecidos já virão com várias pedras na mão pela comparação, pois é isso que fã ensandecidos fazem, mas levando em conta que o KARA foi um dos meus girlgroups favoritos da era de ouro do K-Pop, além de ter sido um dos mais rentáveis, isso é um baita dum elogio.

Elas até tem uma vesga própria para ocupar o lugar da Seungyeon. O esforço é real... *O*
No mais, até aqui, esse foi um dos meus lançamentos favoritos de 2017. Não vai rolar um album review completo do mini, pois creio que eu não tenha muito a falar além do que já destaquei sobre as influências 80s e também por a melhor mesmo do EP ter sido a faixa título, mas vale uma conferida.



Gessica se deu bem -q

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...