sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

TOP 40 | As melhores faixas do K-Pop em 2016 (10ª até 01ª)


Uou, finalmente chegamos na última parte da última lista aqui desse blog. Muito foi reclamado (por mim) sobre 2016 ter sido um ano relativamente fraco para o K-Pop e, bom... Foi mesmo. Muitos grupos grandes ou disbandando, ou não lançando nada, uma quantidade de canções acima da média bem abaixo do esperado (comparem com 2015 e 2011, por exemplo) e várias modinhas ocidentais sendo seguidas, perdendo um pouco daquele apelo weird muito presente na era de ouro.

Entretanto, quem mandou bem, de fato, mandou bem e, aqui, destaco as minhas 10 favoritas desses últimos 12 meses. Todas são nota 10, maravilhosas, incríveis e por motivos diferentes acabaram se tornando vícios meus.

Quem será que se juntará ao T-ara, ao 9MUSES, ao F(x) e ao 4MINUTE no panteão de ícones desse blog? Será que ignorarei mesmo a existência do BLACKPINK? Essas e outras respostas, confiram abaixo...

10) COSMIC GIRLS - SECRET


A ideia de o Cosmic Girls ser um grupo gigantesco composto por quatro subunidades, com cada integrante representando uma casa zodiacal, desde o início, me soou curiosamente interessante, já que essa temática astronômica/astrológica, científica/mística poderia servir de fio condutor para praticamente qualquer videoclipe que elas quisessem lançar, sejam eles com canções que fizessem sentido nisso ou não. É aquilo de se diferenciar, ter uma identidade, sacam? Dito isso, "Secret" é um amálgama de Pop com R&B repleto de elementos do Funk americano dos anos 70 e sintetizadores dos anos 80. Um dos maiores destaques está para a parte do rap, com a Chu Sojung supreme bias mandando rimas num flow bem consistente. A canção é simpática e agradável, tem seu brilho e é o melhor single delas até aqui, com uma aura "madura" que me remete a coisas como Find Me, da Jun Hyo Seong, e Drama, do 9MUSES. O MV é o melhor do ano e, talvez, um dos mais lindos do K-Pop de todos os tempos. Ele segue o mesmo molde dos do Red Velvet pré-Roleta Russa, com planos giratórios, jogos de câmera por cima, mas acrescenta ícones zodiacais e remetendo a filmes de Sci-Fi B, o que deixa tudo num nível bem mais empolgante. É exatamente o que eu esperava ver do grupo na época do debut e o que espero que venha da videografia delas daqui pra frente...


- x -

09) COCOSORI - EXQUISITE!


A presença do CocoSori nesse top 10 pode soar completamente aleatória, já que nunquinha falei dessas duas nos posts daqui, mas, creiam: "Exquisite!" é uma das melhores coisas vindas da Coréia do Sul em 2016. A faixa é um synthpop com o tempo MUITO alto, cantada de naquele bizarro cruzamento entre o aegyo, o sexy e o creepy de uma forma que pouquíssimos grupos conseguem (na minha cabeça, só vem o Orange Caramel e o T-ara) e uma série de breaks de HEAVY FUCKING METAL acrescidos de gritos felinos. Esse deve ter sido o melhor momento "K-Pop emulando J-Pop" dos últimos meses, já que esse tipo de coisa é algo que esperaríamos do Momoiro Clover Z ou do finado Lady Baby e não de idols coreanas - e, talvez, por isso tenha me agradado tanto. O videoclipe é uma delícia fumada, com elas vestidas de maneira fetichista, ora de mulher-gato, ora de confeiteira, alternando a interpretação corporal de acordo com o momento da faixa: quando rola o Pop, se comportam como menininhas do white aegyo, abobalhadas, inocentes e de expressão confusa, quando entra o Metal, se tornam mais agressivas, provocativas e assustadoras. É esse tipo de coisa que faz a asian music valer tanto a pena... <3


- x -

08) BULLDOK - WHY NOT


4MINUTE está morto, 2NE1 também, Sonamoo virou aegyo e o BLACKPINK não correspondeu o hype criado. E agora, como eu e os demais fãs do conceito girlcrush iremos sobreviver? Se depender das meninas do Bulldok lançando hinos como esse, continuaremos muito bem. Uou, que música boa! Essa despretensão sonora e estética, passando longe do aegyo, mas não sendo substancialmente sexy, é deliciosa. Colocassem ai um visual Candy Funky Style, com cores demais para serem contadas, maquiagens assombrosas e cabelos toscos, teríamos um release da era de ouro fácil. "Why Not" é aquele Urban/Pop sem qualquer indício de um dia ter sido pensado para ser algo a mais que entretenimento. Porém, ainda assim, ganha pontos por ser genuinamente boa, bem construída, grudenta, carismática e excitante. A levada é bem semelhante ao que faziam no mainstream dos EUA entre o final dos anos 90 e o início dos 2000. Os sintetizadores estão na medida, sendo marcantes, mas nada farofeiros. A métrica é boa, os versos são memoráveis, o pré-refrão é empolgante, o refrão é ótimo. O MV também está na medida para uma produção de baixo orçamento, focando mais na performance isolada das garotas e na coreografia em vez de trocentos takes "inovadores", câmeras giratórias e etc. Do início ao fim, gostei de tudo...


- x -

07) 4TEN - SEVERELY


Amigos, sentem aqui, irei lhes contar uma historinha. Há muitas eras atrás, existiu uma girlband incrível, super competente e bastante conhecida dentro da cena musical asiática. Vocês não devem conhecer, pois já faz um tempo, mas elas eram chamadas de KARA. O quinteto de beldades coreanas sempre nos abençoava com canções muito inspiradas na junção de Pop eletrônico e Rock que costumeiramente era lançada no Japão, adaptando tal sonoridade mais agressiva para o K-Pop de uma maneira brilhante. O grupo se foi há um tempo, deixando um grande vazio no coração dos amantes daquela proposta. Porém, não se desesperem, pois parece que seus hinos inspiraram girlgroups da geração atual. Por exemplo, o 4TEN (que era um grupo de 4 gatas, mas ai viraram 5 e se transformaram em POTEN, ai viraram 4 de novo e voltaram com o nome antigo) lançou "Severely", uma puta faixa, totalmente carregada nas guitarras, na bateria e nos teclados que, facilmente, serviria como abertura de algum tokusatsu, anime ou na trilha de qualquer jogo japa de ação...


- x -

06) EXO - LUCKY ONE


E o título de melhor faixa de boygroup vai, novamente, para os caras do EXO, com "Lucky One". Puta que pariu, que música boa! A maneira como ela é levada de maneira funkeada mesmo sendo um Dance é espetacular. O refrão é uma coisa de louco e joga a energia lá para cima logo depois do instrumental desacelerar e dar lugar para os sintetizadores House aparecerem, apenas para desaparecerem logo em seguida e entrarem as guitarras. Os efeitos eletrônicos inspirados no movimento New Romantics, que parecem ter sido tirados de algum documentário horrível sobre ufologia com "especialistas" explicando o porquê de um bebê cabra numa fazenda a meio-oeste dos Estados Unidos não ter mais vontade de mamar ser (ou não) culpa de alienígenas do passado terem infectado aquela área, dão todo um tom trash pra back track, que é maravilhosa. E o MV também cumpre bem seu papel, trazendo ao visual aquilo que escutamos na música, com todo um clima de mistério regado a ícones de ficção científicas podrões. Fantástico...


- x -

05) BRAVE GIRLS - HIGH HEELS


"High Heels" é ótima. Ótima, ótima, ótima, ótima! O modo como ela soa roqueira em sua construção, mas ainda ganhando elementos funkeados aqui e ali, é genial. A introdução com os "I'm a sexy girl, I'm top girl, I'm a pretty girl, I'm a foxy girl" gritados é chiclete puro. Ela é empolgante, é animada, grudenta, farofeira, divertida, viciante, eficaz na proposta inicial: entreter. Lembro que a escutei repetidamente na ida e volta de ônibus ao cinema para assistir "Procurando Dory" e não enjoei. Aliais, seis meses se passaram e eu não enjoei até agora, pois HH é aquele tipo de bubblegum Pop curtinha que não tenta reinventar a roda e nem adiciona elementos sônicos divergentes do normal, mas perdura por anos e anos, tamanha a capacidade de soar atual em diferentes períodos do tempo. Alguns qualificam isso como ser genérico, eu qualifico como competente. O MV traz a mesma ideia usada por girlbands desde que o mundo é mundo: colocar cada integrante num papel diferente, atribuindo-lhes individualidade. E funcionou. Agora, olho para cada uma e penso, "Aah, é a gostosa bailarina", "olha, é a tosca fantasiada de coelho", "eita, é a gostosa que dança com a poc na borracharia". Sinceramente, uma ótima farofa...


- x -

04) HEIZE - AND JULY (ft. DEAN, DJ FRIZ)


E quando eu jurava que a dobradinha da Heize com o Dean mostrada em "Shut Up & Groove" não poderia ficar melhor, os desgraçados vão e me chamam o DJ Friz e lançam mais um dueto de Hip Hop devastador. Aaargh, que música gostosa! É bem difícil encontrar uma rapper que consiga mandar bem nas rimas, com um flow bacana e, ainda assim, conseguir cantar bem. Aqui no ocidente, os nomes mais óbvios são a Negra Li, a Erykah Badu, a Janelle Monáe e a Lauryn Hill. No oriente, em uma menor proporção, talvez a CL e a Jessi. E agora, a Heize. O instrumental de "And July" grita a 90's por haver toda uma construção mais orgânica, com as batidas contadas pela caixa e a inserção de um andamento de fundo mais lento feito pelo baixo, mas possuir uma adição de velocidade levada pelo piano. É claro que as palmas, batidas de pratos e backing vocals mais gritados ao final dão todo um sabor bem mais especial. A contraposição das rimas mais malemolentes, por vezes até cantadas, da Heize com o ótimo vocal do Dean, que acertou em cheio ao só seguir afinado a melodia em vez de rechear a performance com agudos e melismas desnecessários, faz dessa uma colaboração que permite aos dois brilharem tanto individualmente, quanto juntos. Já o MV, dirigido pelo Digi Pedi - duo responsável por algumas das melhores produções visuais do Orange Caramel, do Epik High, do EXID, do Stellar e de mais um monte de gente -, mostra os dois como um casal birrento e teimoso, que implicam entre si durante todo o dia, vingando-se de maneiras bem toscas e aleatórias. Se vocês tem algum tipo de preconceito com o Hip Hop sul coreano, talvez essa seja uma boa maneira de começar a se aventurar pelo nicho...


- x -

03) OH MY GIRL - WINDY DAY


Eu ainda consigo me lembrar das sensações que tive ao escutar "Windy Day" pela primeira vez. O instrumental começa como um Pop adocicado bem qualquer coisa, levado ao violão e com algumas notas de piano, servindo de pano para o vocal meigo das meninas do Oh My Girl em mais um de seus números aegyo. Até ai, apenas okay. Segui em frente e as coisas começam a evoluir quando chega o pré-refrão, onde surgem mais elementos de peso, como a guitarra subindo e descendo na escala de notas, a bateria indo com mais força. Minha sobrancelha esquerda começou a levantar bem no cantinho. Até que o tal pré-refrão não acaba e descubro que aquilo já era um refrão bem súbito, pois as garotas passam da voz de peito para o falsete e lhe dão continuidade. Ao fundo, a banda aumenta seu tempo de maneira frenética e tudo começa a soar como numa trilha sonora medieval. Na tela, as integrantes corriam como elfas numa floresta. Uma delas avista um veado. Ela tem uma arma. Ela mira. Ela atira. Meus olhos arregalam. *BOOOOOOOOOOOOOM* com o mega refrão acabando e entrando um instrumental que parece ter sido retirado da novela "O Clone". Uma rajada de vento violentíssima ataca as meninas após atirar. E eu estou de cabeça para baixo. Todo o clima místico volta com um pouco mais de peso no retorno dos versos. Mais um refrão gigante. Uma das gatas encontra uma caixa misteriosa num labirinto. WINDY DAY! Outra rajada de vento... WINDY DAAAAAY! A ponte dá as caras. A menina que assassinou o veado começa a coçar a testa. NASCERAM CHIFRES NELA!!!!! WINDY DAAAAAAAY! Mais vento! WINDY DAAAAAAAAY! O instrumental explode novamente! WINDY DAAAAAAAAAAY! Eu to pulando e dançando com a Sugar (minha gata de estimação que odeia humanos) como se fossemos companheiros anões após vencermos uma batalha contra os elfos! WINDY DAAAAAAAAAAAY! Melhor aegyo da história do K-Pop...


- x -

02) MAKE SOME NOISE (PRODUCE 101) - 24 HOURS


A minha avó é uma mulher muito sábia. Dentre os inúmeros ensinamentos que ela tem me passado desde que me entendo por gente, um dos mais complexos é o de que uma farofa boa é muito difícil de se fazer. Obviamente ela estava se referindo ao acompanhamento colunário, mas isso pode ser adequado a tudo. Precisa escolher a farinha certa para o tipo certo de gordura, cuidar da temperatura e balancear bem os temperos para que não fique enjoativa, fácil de digerir e se destaque dentre os demais pratos presentes. No caso das farofas musicais, é basicamente a mesma coisa. Ela tem que ser divertida, cativante, grudenta, apresentar elementos diferentes para que se torne chamativa e atraia a atenção em meio a tantas outras produções fonográficas de ~mais gabarito~. Uia, "24 Hours" tem tudo isso ai. O instrumental, além dos sintetizadores EDM de praxe, conta com a presença de um conjunto de cordas que lhe dá todo um ar clássico/erudito, como se fosse um daqueles remixes de ópera que faziam sucesso quando a internet começou a se espalhar aqui no Brasil. O mais legal é que, quando o refrão termina, as coisas enlouquecem ainda mais com um batidão clubber explosivo que daria inveja ao T-ara. Eu totalmente viciei na coreografia dos pulinhos do vídeo abaixo, reproduzindo-a como um retardado toda vez que "24 Hours" começava a tocar na hora da faxina aqui em casa. Pra mim, esse foi o ápice do "Produce 101". Por que mesmo a Mnet não guardou isso aqui para usar como debut do I.O.I? Se elas tivessem lançado isso como single, acompanhado de um videoclipe bacana, é certo que estariam no topo desse pódio. Como não lançaram...


- x -

01) LUNA - FREE SOMEBODY


"Free Somebody", talvez, deva ser a melhor canção de debut não só para um ato da SM Entertainment, mas talvez a maior música de estréia de qualquer solista da história do K-Pop - competindo ombro a ombro com Ain't Nobody, da HA:TFELT. A delícia é um Electro-Pop absurdamente dançante, com indícios de Future House, que não deixa o clima cair em momento nenhum. Do teclado ao início aos sintetizadores que lembram cornetas que a encerram, a faixa percorre um caminho espetacular. Os versos iniciais cantados com um pouquinho de ar na voz, os "I know, I know, I know, I know" grudentos, o refrão... PORRA, ESSE REFRÃO, PUTA QUE PARIU ESSE REFRÃO, CARALHO! É só a gostosa gritando que quer libertar alguém, seguido de sintetizadores, mas é tão delicioso que... Sério, é inexplicável. "Free Somebody" é tudo o que é esperado de uma boa música Pop e ainda vai além. Tudo fica ainda melhor com o videoclipe genial. Eu to chocado com a SM realmente abrindo a carteira para mesclar cenas de estúdio com uma animação psicodélica apenas para dar sentido à metáfora de libertação de corpo e mente. Em 2016, a Luna foi o pacote completo e sua música conseguiu o que pouquíssimas outras atingiram durante o ano: ser memorável. Eu tenho certeza absoluta que, daqui há uns 30 anos, se alguém me perguntar sobre como era o K-Pop na minha época, essa canção será uma das primeiras que lembrarei da melodia, enquanto tantas outras ficarão perdidas em minhas memórias como só mais outras parecidas entre si. Temos um novo clássico. Parabéns aos envolvidos...


- x -


[40-26] [25-11]

E foi isso ai, seus lindos. Agora eu tenho que me justificar por não ter incluído um monte de gente, né? Okay, vamos lá.

BLACKPINK, Red Velvet e BIGBANG não entraram pois só lançaram merda. Embora GOT7 tenha vacilado MUITO com "Hard Carry", eu até que gostei de "Fly", mas não o bastante para desclassificar outra faixa. O mesmo para SHINee com "1 of 1" e GFriend com Navillera - que saiu da lista final na última hora.

Algumas músicas realmente mereciam entrar aqui, mas acabei esquecendo-as na hora de montar a lista e só lembrando quando já estava tudo pronto, caso de "I Like That", melhor música do Sistar em anos, "That's My Jam", do B.A.P, "Excalibur", do N-Sonic e "E", do BOYS24.

No mais, só isso mesmo.

Mas digam ai, quais foram as suas favoritas desse ano? Concordaram com o top? Discordaram? Não tenham vergonha de comentar... ;)

4 comentários:

  1. Não esperava esse top 4, mesmo AMANDO And July da Heize e do Jean, não pensei que alguém lembrava ainda dela, não vi ninguém mais comentando a um tempão. Agora Free Somebody me surpreendeu muito, não vou julgar, pois é SUA lista, e não vou meter o dedo onde não sou chamado (mas não pense que eu não gostei das músicas). Não consigo decidir em listas, mas acredito que Very Very Very tá no top 5, junto com I Like That (finalmente saíram do automático), Secret, At The Same Place e Rough (mesmo não curtindo tanto assim ageyo (?) concept) essas três músicas ficaram muito na minha cabeça mesmo não sendo farofões, já que esse ano foi bem escasso de farofões marcantes. One of Those Nights também não foi tão ruim pra mim como tantos dizem, pode-se dizer que ela pegou um sexto lugar na minha lista. E não posso/vou te julgar, até porque como já falei que é sua lista, sua opinião.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pouca gente comentou mesmo as músicas da Heize ao longo do ano, o que é uma pena.

      Obrigado pelo comentário. =)

      Excluir
  2. A música que mais gostei em 2016 foi Bad Girls de SOL-T elas cantam muito me apaixonei por elas a primeira vista

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...