domingo, 20 de novembro de 2016

TOP 50 | As melhores faixas do K-Pop em 2015 (50ª até 38ª)


Inicialmente, eu havia planejado deixar isso aqui para o início do ano que vem, período onde a música Pop asiática dá uma estiada e quase nada de bom costuma ser lançado. Entretanto, convenhamos, não faz sentido esperar que as coisas fiquem ainda piores, já que 2016 foi o ano mais fraco em lançamentos musicais lá do outro lado do globo - principalmente quando pensamos no K-Pop. Então, cá estamos com mais uma série de posts onde relembro o passado e trago o que de melhor rolou no Pop coreano em 2015.

Dando uma breve passada no cenário do ano passado, é extremamente válido ressaltar que, em minha opinião, 2015 foi o melhor ano da asian music dessa década. Especificamente quanto aos atos coreanos, sei que muitos de vocês preferem 2011, mas há doze meses era muito comum que absolutamente toda semana saísse algo bem aproveitável de lá. Tanto que, facilmente, eu poderia fazer disso aqui um top 100 e não me sentiria nem um pouco mal, achando que estou forçando a barra ou algo parecido.

2015 foi tão bom pro K-Pop que até artistas que nunca costumam acertar acertaram duas vezes, tão bom que até canções abaixo do esperado conseguiram ser superiores as desse ano (tipo isso, isso e isso), tão bom que eu não consegui deixar o número de colocações desse top em 40 e, novamente, resolvi aumentar o número da lista.

Antes de tudo, vale lembrar que, embora tenha sido um ano bem superior, eu não pretendo nesse post fazer um panorama de tudo o que foi lançado. Na verdade, isso aqui é um reflexo do meu gosto pessoal, do que mais escutei na época somado ao que mais escuto da época atualmente. Pode ser que seus bias não apareçam aqui, pode ser que muito do que eu escolher não se assemelhe aos colocados de listas de outros sites, mas não quer dizer que existam certos ou errados - tanto que essa primeira parte da cheia de guilty pleasures meus... -q

50º) DALSHABET - JOKER


Nem tem nada de inovador na fórmula sonora por trás de "Joker". É uma canção midtempo gostosinha, com um instrumental orgânico sensual que passeia entre o Jazz e o R&B de uma maneira bastante Pop, muito parecido com o que o AOA fazia em 2014. Só que a grande mágica que a permeia é o jogo de palavras nela que a fez ser banida de algumas emissora coreanas. Eu expliquei tudinho nesse post na minha época de Radio J-Hero, mas, dando uma resumida, "Joker" em coreano se pronuncia da mesma maneira que "pênis gigante". Então, só pela sacanagem delas cantarem sobre uma pica que tira o ar delas a noite inteira, mas disfarçando como se estivessem se referindo ao Coringa, do Batman, essa faixa já entrou no meu coração...

- x -

49º) UP10TION - SO, DANGEROUS


Parte do que fez 2015 tão bom foi um monte de boygroups lançarem músicas genuinamente boas em vez de só os habituais lixos sonoros apelativos que costumam vir para essa fatia de público, que mais se importa em ver os bias sem camisa pagando de bad boys em vez de apreciar boas canções. Tanto que uma porrada de grupos (e solistas) masculinos irão aparecer por aqui. O primeiro deles é o UP10TION, que errou na escrita do título da faixa, mas acertou em rechear "So, Dangerous" de elementos eletrônicos de pulso, mas que não a tornassem barulhenta demais. Gosto do fato disso aqui começar com um andamento meio "árabe", mas ir modificando-se de maneira mais roqueira conforme os segundos vão passando, mas, ainda assim, ser primordialmente Dance...

- x -

48º) MAMAMOO - GIRL CRUSH


O 2015 do Mamamoo foi bem recheado de lançamentos que variaram entre o bom e o ótimo. De todas as faixas delas nesse período, a que mais gostei foi, justamente, a mais aleatória de todas: "Girl Crush". Isso aqui foi utilizado como soundtrack de algum dorama que eu nunca assistirei, mas serviu também como aperitivo para o sensacional primeiro full album delas, que surgiria no início de 2016. Amo as influências de Jazz, Bebop e Hip Hop que aparecem nesse instrumental, fazendo-me me imaginar em Nova Orleans, como pano de fundo para algum desenho animado antigo carregado na violência física. O videoclipe vertical também é muito bem feito e divertido de assistir...

- x -

47º) JAY PARK - YOU KNOW (ft. OKASIAN)


A galera que já me conhece e lia meus posts em outros lugares antes de começar a falar de música aqui no blog já deve saber que eu tenho bastante implicância com alguns artistas sul coreanos - e que o Jay Park está entre esses. Como pessoa pública, acho ele um babaca. Por outro lado, eu seria hipócrita se ignorasse nessa listas as ótimas faixas que ele lançou ano passado. A primeira a aparecer aqui é "You Know", uma midtempo Urban maravilhosa sobre ficar bêbado, fumar umas e transar a noite toda. A temática é simples para esse tipo de release, mas está muito bem executada, ainda mais pelo instrumental eletrônico soar mais como o de artista europeus que como o de alguns rappers americanos chatíssimo. A propósito, caso a tal dance version com ele e a HyunA se esfregando tivesse mesmo saído, isso estaria umas vinte colocações acima...

- x -

46º) iKON - WHAT'S WRONG?


Eu sei que o queixo de vocês deve ter ido ao chão nesse momento, mas, sim, o iKON tem UMA música boa que se salva em meio ao seu catálogo quase inaudível. "What's Wrong?" em vez de pegar os lados farofeiros barulhentos EDM do BIGBANG, ou os de rap patéticos, ou reciclar deles as baladinhas R&B mela cueca, pega aquilo de mesclar Pop/Rock com eletrônico da YG que, quando bem executado, realmente fica memorável. Toda a faixa é maravilhosa, mas a estrofe final com eles gritando "if you ever love somebody say yes!" é a minha favorita. Uma pena a faixa ter sido direcionada ao iKON em vez de, sei lá, pro 2NE1 ou pro debut do BLACKPINK...

- x -

45º) WANNA.B - ATTENTION


Ooh, nugus, sempre tão maravilhosas! Eu nunca tinha ouvido falar dessas tais Wanna.B - e confesso continuar não tendo ideia de quem são essas garotas, de que gravadora são etc. -, mas "Attention" foi aquele tipo de faixa energética que retomava o estilinho do K-Pop comum entre o final da década passada e o início dessa, soando como alguma cantiga marcial de líderes de torcida, o que se torna ainda mais evidente pelo instrumental cujas percussões dominam as atenções. O break meio caribenho após o refrão é bem inusitado e eficaz, o MV com elas dançando em cenários iluminados é nostálgico. Nota 10 pra tudo...

- x -

44º) AMBER - SHAKE THAT BRASS (ft. TAEYEON)


O debut solo da Amber foi intenso. O EP "Beautiful" foi num sentido completamente oposto que o esperado pelos fãs do F(x), sendo bem mais sentimental e melódico do que a bobagem badass idealizável para um rapper trans no K-Pop. A única faixa mais calcada no Hip Hop mesmo foi "Shake That Brass". Mesmo assim, toda ela conta com uma carga instrumental retrô e jazzística muito mais interessante que outros números do estilo. E é claro que ela colocar um monte de gente legal para cantar durante as performances ao vivo (Ailee, Wendy, Luna, Kei etc.) contou muitos pontos para que a música se fixasse na minha cabeça. Foi a minha favorita do mini-álbum e, por contar com a presença da TaeYeon, pasmem, foi a minha favorita de uma Girl Generation em 2015...

- x -

43º) CHEETAH - CATHARSIS


My Number foi um comeback bem bom e marcante para a Cheetah após ela brilhar e, merecidamente, levar o prêmio da primeira edição do Unpretty Rapstar. Porém, a minha favorita mesmo do single foi essa b-side aqui, com ela soltando sua Azealia Banks interior e zombar de todo mundo mostrando o quanto ela é foda e as outras não, isso tudo por cima de uma base que remete às sonoridades africanas. E o bom dela ser talentosa é perceber que a música fica boa tanto na gravação original abaixo quanto nesse live aqui Uma pena que rappers ~não idols~ não tenham tanto espaço para performar na TV, pois adoraria assistir isso com o apoio do balé e iluminações corretas...

- x -

42º) HELLO VENUS - WIGGLE WIGGLE


Eu tenho plena consciência de que todos vocês estão revirando os olhos e me julgando por incluir "Wiggle Wiggle" nessa lista, mas eu não posso fazer nada se essa porcaria deliciosa é constrangedoramente viciante, entregando um número Urban-para-cachorras maravilhoso...

- x -

41º) IU - ZEZE


Okay, vamos retomar o nível. O mini-álbum da IU foi uma das melhores coisas que lançaram na cena musical DO MUNDO ano passado. Eu poderia tranquilamente colocar todas as faixas dele aqui, mas enfim, das que selecionei, "Zeze" é a que começa essa invasão. A soma de Folk no Pop instrumentalmente mais pesado dela funcionou como poucas conseguem no K-Pop. Cada elemento tem o seu lugar de brilho e realmente faz a diferença no resultado final. Há pulso, há replay factor, há tudo de necessário para que esse seja um release agradável e marcante. Que bom que as tosquíssimas acusações de que a IU seria uma pedófila safada, por conta da letra inspirada no livro brasileiro "Meu Pé de Laranja Lima", não deram em nada...

- x -

40º) CRAYON POP - FM


Crayon Pop  "FM" é boa em tantos aspectos que eu mal posso listá-los em um só parágrafo. Do amálgama de EDM com Metal que lhe dá uma cara de abertura de anime ao MV trash zoando todos os clichês possíveis de séries tokusatsus, tudo me conquista. É aquilo do Crayon Pop ser um ato coreano que se aproxima bastante do no sense de artistas nipônicos usado de maneira correta e elevado ao máximo...

- x -

39º) RED VELVET - DUMB DUMB


Com efeito semelhante ao que disse sobre o EP da IU, o álbum do Red Velvet foi uma das melhores coisas que escutei no ano passado. A produção mesclando Hip Hop dos anos 90 com eletropop e Funk dos anos 70 se tornou a marca registrada do grupo. Uma das faixas que mais representa essa delícia é "Dumb Dumb". Ela foi usada com single e hitou pra caralho, ainda mais com o MV fodastico zoando a SM Entertainment, cujos jogos de câmera rotativos e demais elementos acabaram por criar uma tendência (já saturada) entre girlbands esse ano. Foi uma das melhores faixas de 2015, mas não a melhor do Red Velvet em 2015...

- x -

38º) WONDER GIRLS - I FEEL YOU


Assim como "I Feel You" não foi a melhor do Wonder Girls ano passado. Aaaaaaaargh, caralho, como eu amo essa música! Os sintetizadores do "futuro-do-passado", toda a referência à onda new romantics, a melancolia dançante, as timbragens do instrumentos, Deus do céu! E o melhor de tudo é que isso tudo cresce exponencialmente quando escutado com o acompanhamento visual do videoclipe, que pega sei lá quantas referências da época e reproduz com fidelidade. Basicamente, "I Feel You" não soa como uma música emulando os anos 80, sim como uma música dos anos 80 de fato. E pensar que ainda tem coisa melhor no álbum...

- x -


E é isso ai, meus queridos. Semana que vem, trarei os colocados entre a 37ª posição e a 25ª. Quem vocês acham que aparecerá nesse meio tempo? Será que seus atos favoritos entrarão ou serão ignorados veemente como ignoro a existência de "Catch Me If You Can" em 2015?

Aguardem e verão... \o/

2 comentários:

  1. "Que bom que as tosquíssimas acusações de que a IU seria uma pedófila safada, por conta da letra inspirada no livro brasileiro "Meu Pé de Laranja Lima", não deram em nada.." eu ri muito dessa parte e que bom mesmo.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...