sábado, 15 de outubro de 2016

Pacotão de comentários: Kubo, HIGHTEEN, Ladies' Code, Davichi, Pentagon, Girls Girls e mais


Olá, gente linda. Como vão? Espero que bem.

Como já é de costume (tanto que decidi transformar isso num quadro oficial do blog), não pude comentar uma série de coisas que saíram durante a semana, já que ser adulto é uma merda e não tenho todo o tempo que eu gostaria de ter para me dedicar a esse blog e transformar isso aqui no Papel Pop da nova geração.

Então, está na hora de mais um daqueles pacotões onde eu dou os meus pitacos relevantíssimos de uma vez só para uma série de novas faixas. Algumas até renderiam bons posts isolados, mas terei que me contentar em dissecá-las em poucos parágrafos, pois ser adulto e uma merda e... Já falei isso, né? Okay, vamos lá...


Eu sei que isso aqui não é bem asian music, mas, embora não pareça, esse blog maravilhoso também fala de animações, sejam animes, cartoons ou longas. No caso, fui ontem ao cinema assistir Kubo and The Two Strings (ainda não entendi qual a tradução correta, cada lugar fala uma coisa) e totalmente amei essa delícia. Foi um dos melhores filmes que assisti esse ano e pretendo me aprofundar mais no assunto em um movie review logo logo. Aqui, me limitarei a falar sobre a ótima trilha sonora presente nele.

Em especial, a versão da Regina Spektor para While My Guitar Gently Weeps, do Beatles, num arranjo que remete primordialmente aos sons tradicionais e folclóricos japoneses, está arrepiante. O modo como a música é tocada casa com a interpretação vocal "bêbada" dela, deixando o pacote final espetacular. É claro que, a título de comparação, ainda prefiro a versão do Santana com a India.Arie, mas essa aqui também está lindíssima...


Eu nunca ouvi falar dessas HIGHTEEN (ou já ouvi esqueci?), mas elas soltaram uma faixa chamada Boom Boom Clap e... Aah, isso tá muito chato. O instrumental mais Pop e "carnavalesco" até funcionaria se a interpretação vocal delas fosse menos aguda. Pior que o MV tá bem feito e as plásticas estão engraçadas, podendo deixar tudo ruim sendo bom, mas ficou só ruim sendo ruim mesmo...


As HIGHTEEN podiam aprender com as meninas do Ladies' Code como colocar bem suas vozes, de maneira elegante e coerente com o instrumental. The Rain é mais uma boa faixa do ótimo 2016 que essas três estão tendo musicalmente. Gostei da escolha de sintetizadores e de como cada elemento da track se complementa, quase a deixando etérea. Há pulso, há um tiquinho de sensualidade e toda uma aura sombria que elas estão sabendo explorar bem por conta do luto - e sem sensacionalismo.

O MV também está maravilhoso, cheio de ícones metafóricos, usando bem a metalinguagem que lhes é permitida.

E a título de curiosidade, Galaxy ainda é uma forte candidata a encabeçar a lista de melhores do ano aqui no blog...


Posso ser sincero? Eu não tenho muita paciência para o Davichi. Costumo achar os singles do duo bem pouco inspirados, não fugindo muito do dois pra, lá dois pra cá das baladinhas coreanas mais aguadas. Entretanto, eu seria retardado se não reconhecesse que Beside Me é um dos troços mais lindos lançados no K-Pop nesses últimos meses. Tanto que até me deu vontade de dar outra chance para a discografia das duas.

O piano deixa-a dramática na medida e a construção harmônica faz com que os versos mantenham-se de maneira crescente, permitindo que a canção exploda no refrão, muito bem inspirado, por sinal. É quase como a abertura de um novelão mexicano, mas no bom sentido. Elas cantam muito bem, o MV está bonito, gostei de tudo...


Já disso ai eu não gostei de nada. Esse debut do PENTAGON soa como uma versão menos inspirada da faixa que o grupo novo da FNC lançou há umas semanas, que por si só já soava como um remix de Queen, do History, que já naquela época parecia um cover de Worth It, do Fifth Harmony. Próxima...


Eita, que música maravilhosa. O 100% conseguiu deixar nessa Better Day um instrumental Disco totalmente melancólico e depressivo, mas ainda assim grudento, uptempo e com replay factor altíssimo. É maravilhoso notar que alguns boygroups não se limitam a estética de bad boys retardados e se permitem arriscar musicalmente. Está tão bom que parece ser um single de girl band. Quer dizer, com alguns teclados mais reverberados, isso ai poderia entrar fácil da discografia do finado KARA...


Eu amo faixas minimalistas, mas essa ai me deu soninho. Próxima...


HEAUAHEUEAHUAEHUAEHUEAHUAEHUEAHUAEHUEAHAUEHAEUHEAUEAHUEAHUEAHAU

Eu jurava que o GIRLS GIRLS tinha disbandado depois de flopar com a tosquíssima GIRLS GIRLS (sim, elas lançaram um single com o mesmo nome do grupo, porque sim), mas que bom que elas sobreviveram, pois essa Juicy Secret está naquele limiar exato entre o ridículo e a piada. É outra daquelas músicas sem vergonhas e datadíssimas levada pelo saxofone, mas que ganha um todo um gás pelo MV engraçadíssimo com elas piranhando numa loja de sucos. Tenho certeza absoluta que o break lá por 2:40 min foi criado única e exclusivamente para que filmassem closes sugestivos delas rebolando a raba. Hello Venus da nova geração mesmo, viu...


Eu decidi ignorar solenemente o Far East Movement quando eles lançaram a horrorosa Like a G6 e todo mundo que queria ser cool ficava cantarolando essa bosta. Entretanto, to achando que devo dar uma nova chance ao grupo, já que eles irão lançar semana que vem um novo LP cheio de colaborações com artistas do K-Pop. Se todas estiverem tão boas quanto essa Freak Luv, que conta também com a minha deusa praiana Tinashe, aposto que será bem proveitoso...


Vocês se importam se eu cagar a linha editorial desse blog só um pouquinho para sugerir algo bem legal? É que a Solange Knowles lançou no final do mês passado um álbum sensacional, o A Seat at The Table, com uma porrada de faixas fodas, cheio de interlúdios super sensíveis, muito bem mixado, recheado de influências que vão do R&B clássico ao indie Rock contemporâneo. Isso tudo com vários dedos do meio sutis ao racismo. Vocês podem ter um gostinho da proposta sonora e visual conferindo acima o videoclipe de Cranes in the Sky e, em seguida, o de Don't Touch My Hair, ambos nota 10/10...



E amanhã tem album review da Luna. Bjokas.

2 comentários:

  1. A história do Girls Girls fica ainda mais comédia quando você pensa que o single era Deal mas a empresa era muito pobre pra fazer um MV huhajajaj aí meses depois elas remixaram uma b-side pra lançar. E nesse meio tempo já saiu uma menina e elas filmaram o MV na lanchonete da empresa, staneando pelo iconicidade kkkjnnb

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...