segunda-feira, 26 de setembro de 2016

O visual do Apink amadureceu em 'Only One', mas a música está um tédio


Eu não odeio o Apink.

Algumas músicas lançadas pelo grupo são bem interessantes. A minha favorita é NoNoNo, pois evoca aquele espírito ~inocente~ das idol japas em seu videoclipe, mas com uma construção sonora muito bem encorpada, bem trabalhada, elementos consistentes e uma letra legal demais. Também curto Remember, pois o uso de flautas remete minha memórias à animes shoujo de antigamente, Hush, que é um synthpop bem parecido com o feito pelo KARA em início de carreira e, numa proporção menor, Brand New Days, o primeiro trabalho original delas no Japão.

O grande problema por traz disso tudo é o conceito visual que impera em 98% dos releases do grupo. As roupas infantiloides, as caretas de confusão, Ho-oh do céu, é tudo uma porcaria pedófila feita para agradar coreanos malucos. E o pior de tudo é que, como essa estética vende bastante por lá, inúmeros outros grupos vieram apostando nisso após o estouro do sexteto. Oh My Girl, April, I.B.I, GFriend, Lovelyz, DIA e por ai vai.

Só que as originais estão de volta com seu terceiro álbum e, bom, algumas coisas mudaram. Vejam ai o lead single, Only One..


LUNATICAST | #005 - Comentando Digimon Adventure Tri 3: Confession


Olá, seus lindos. Estamos de volta com mais um episódio do Lunaticast.

Dessa vez, Fany, Saylon, Musa e Lunei (oie) dão os seus dois centavos sobre o terceiro OVA de "Digimon Adventure Tri", o "Confession". Três deles acharam uma maravilha e um achou "uma bosta horrível". Descubra quem clicando no play abaixo...


DOWNLOAD EM MP3 | DOWNLOAD EM ZIP | FEED

Para salvar em mp3, clique com o botão direito do mouse no player e selecione "salvar vídeo como..."

sábado, 24 de setembro de 2016

Pacotão de comentários: Anda, DIA, LABOUM, EXO, BTOB, Infinite e Song Ji Eun


Como eu sempre digo, ser adulto é uma merda e, infelizmente, não consigo ter todo o tempo do mundo para me dedicar às coisas que eu gosto. Falo isso, pois adoraria ter tempo de produzir vários e vários posts por dia aqui no blog. Material pra isso não falta, só espaço durante o dia mesmo.

E o que fazer quando tem bastante coisa pra comentar em um curto período de tempo? Obviamente, mais um dos meus pacotões...


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

ALBUM REVIEW | Cosmic Girls - The Secret (2016)


Estar inserido quase que diariamente dentro do meio capopeiro me permite observar a reação de seguidores e admiradores do estilo conforme novos grupos vão surgindo no cenário. Por algum motivo que, sinceramente, não consegui entender, o Cosmic Girls não foi tão recebido assim - pelo menos aqui no Brasil, já que a maioria absoluta dos comentários em sites, blogs, fóruns e redes sociais em seu debut no início do ano foi bem negativa.

Comigo foi diferente. A ideia de um grupo gigantesco composto por quatro subunidades, com cada integrante representando um uma casa zodiacal me soou curiosamente interessante, já que essa temática astronômica/astrológica, científica/mística poderia servir de fio condutor para praticamente qualquer videoclipe que elas quisessem lançar, sejam eles com canções que fizessem sentido nisso ou não. É aquilo de se diferenciar, ter uma identidade, sacam?

E embora Mo Mo Mo não seja assim tão memorável, acabei adquirindo um afeto maluco por Catch Me em seu lançamento, pois foi um daqueles casos de algo indo tão fora dos trilhos que, de tão absurdo, acabou fazendo a volta e se tornando cult - não tem como não gargalhar com elas requebrando "sensualmente" na parede e a aleatória lá dando um mortal do nada.

Pois bem, a Starship Entertainment continua apostando nelas e resolveu abrir a carteira para um comeback, além de acrescentar mais uma gatinha no line up, uma das meninas que venceu o Produce 101 e faz parte do bombado I.O.I, representando aqui a constelação de Serpentarium (!!). Será que elas foram bem? Será que o "The Secret" é um EP competente e vale a pena ser escutado? Confiram minha opinião clicando abaixo...

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Com 'New York', o catálogo do MAMAMOO em 2016 permanece excelente


2016 tem sido um ano deliciosamente frutífero para o MAMAMOO. Em fevereiro, elas lançaram seu excelente primeiro álbum, o Melting, que não só foi muito bem nas vendas, mostrando que as quatro conseguiram o tão sonhado lugar ao sol buscado por todo grupo que debuta da Coréia do Sul, como também não decepcionou nas canções de sua tracklist, com as quatro entregando seu habitual Pop/R&B somado a elementos de Hip Hop, Jazz, Soul e Bossa Nova.

Em abril, elas retornaram com o gostosinho comercial da LG, Woo Hoo, além de várias participações das integrantes em faixas aqui e ali. E o comeback delas está marcado para outubro. Entretanto, como pre-release, elas soltaram essa semana a faixa New York. Vejam ai o MV...